Principal

Segurança internacional, também chamada de segurança global, é um termo que se refere às medidas tomadas por estados e organizações internacionais, como Nações Unidas, União Europeia e outras, para garantir a sobrevivência e a segurança mútuas. Essas medidas incluem ação militar e acordos diplomáticos, como tratados e convenções. A segurança nacional e internacional estão invariavelmente ligadas. Segurança internacional é a segurança nacional ou estatal na arena global.

Com o fim da Segunda Guerra Mundial, surgiu um novo assunto de estudo acadêmico voltado para a segurança internacional. Começou como um campo de estudo independente, mas foi absorvido como um sub-campo das relações internacionais. Desde do seu início na década de 1950, o estudo da segurança internacional está no centro dos estudos de relações internacionais. Abrange temas como “estudos de segurança”, “estudos estratégicos”, “estudos de paz” e outros.

O conteúdo da segurança internacional se expandiu ao longo dos anos. Hoje, abrange uma variedade de questões interconectadas no mundo que afetam a sobrevivência. Varia dos modos tradicional ou convencional de poder militar, as causas e consequências da guerra entre estados, força econômica, conflitos étnicos, religiosos e ideológicos, conflitos comerciais e econômicos, suprimentos de energia, ciência e tecnologia, alimentos e ameaças. à segurança humana e à estabilidade dos estados contra degradação ambiental, doenças infecciosas, mudanças climáticas e atividades de atores não estatais.

Enquanto a ampla perspectiva da segurança internacional considera tudo como uma questão de segurança, a abordagem tradicional concentra-se principalmente ou exclusivamente em preocupações militares.

Conceitos de segurança internacional


Edward Kolodziej comparou a segurança internacional a uma Torre de Babel e Roland Paris (2004) a vê como “nos olhos de quem vê”. A segurança tem sido amplamente aplicada para “justificar a suspensão das liberdades civis, a guerra e a realocação maciça de recursos durante os últimos cinquenta anos”.

Walter Lippmann (1944) vê a segurança como a capacidade de um país proteger seus valores fundamentais, tanto em termos que um Estado não precisa sacrificar valores essenciais para evitar a guerra, como pode mantê-los vencendo a guerra. David Baldwin (1997) argumenta que buscar a segurança às vezes exige sacrificar outros valores, incluindo valores marginais e valores primos. Richard Ullman (1983) sugeriu que uma diminuição na vulnerabilidade é segurança.


Arnold Wolfers (1952) argumenta que “segurança” é geralmente um termo normativo. É aplicado pelas nações “a fim de ser conveniente – um meio racional para um fim aceito – ou moral, o melhor ou menos mau curso de ação”. Da mesma maneira que as pessoas são diferentes em detectar e identificar perigos e ameaças, Wolfers argumenta que nações diferentes também têm expectativas diferentes de segurança. Não apenas existe uma diferença entre tolerância às ameaças, mas nações diferentes também enfrentam níveis diferentes de ameaças devido ao seu ambiente geográfico, econômico, ecológico e político único.

Barry Buzan (2000) vê o estudo da segurança internacional como mais do que um estudo de ameaças, mas também um estudo de quais ameaças podem ser toleradas e que requerem ação imediata. Ele vê o conceito de segurança não como poder ou paz, mas como algo intermediário.

O conceito de ator de segurança internacional se estendeu em todas as direções desde os anos 90, de nações a grupos, indivíduos, sistemas internacionais, ONGs e governos locais.


O princípio da segurança com várias somas

As abordagens tradicionais à segurança internacional geralmente se concentram nos atores estatais e em suas capacidades militares para proteger a segurança nacional. No entanto, nas últimas décadas, a definição de segurança foi estendida para lidar com a comunidade internacional globalizada do século XXI, seus rápidos desenvolvimentos tecnológicos e ameaças globais que emergiram desse processo. Uma dessas definições abrangentes foi proposta por Nayef Al-Rodhan. O que ele chama de “princípio da segurança com múltiplas somas” é baseado no pressuposto de que “em um mundo globalizado, a segurança não pode mais ser vista como um jogo de soma zero envolvendo estados apenas. A segurança global, em vez disso, tem cinco dimensões que incluem segurança humana, ambiental, nacional, transnacional e transcultural e, portanto, a segurança global e a segurança de qualquer estado ou cultura não podem ser alcançadas sem uma boa governança em todos os níveis que garanta segurança através da justiça para todos os indivíduos, estados e culturas.”

Cada uma dessas cinco dimensões refere-se a um conjunto diferente de substratos. A primeira dimensão refere-se à segurança humana, um conceito que torna o principal objeto de segurança referente ao indivíduo, não ao estado. A segunda dimensão é a segurança ambiental e inclui questões como mudança climática, aquecimento global e acesso a recursos. O terceiro substrato refere-se à segurança nacional, definida como ligada ao monopólio do estado sobre o uso da força em um determinado território e como um substrato de segurança que enfatiza os componentes militares e policiais da segurança. O quarto componente lida com ameaças transnacionais, como crime organizado, terrorismo e tráfico de pessoas. Finalmente, a integridade de diversas culturas e formas civilizacionais aborda a questão da segurança transcultural. De acordo com essa estrutura de segurança multifacetada, todas as cinco dimensões de segurança precisam ser abordadas para fornecer segurança global justa e sustentável. Defende, portanto, a interação cooperativa entre estados e a existência pacífica entre grupos culturais e civilizações.

Segurança Internacional tradicional

O paradigma de segurança tradicional refere-se a uma construção realista de segurança na qual o objeto de segurança referente é o estado. A prevalência desse teorema atingiu um pico durante a Guerra Fria. Por quase meio século, as principais potências mundiais confiaram a segurança de sua nação a um equilíbrio de poder entre os estados. Nesse sentido, a estabilidade internacional se baseou na premissa de que, se a segurança do Estado for mantida, a segurança dos cidadãos seguirá necessariamente. A segurança tradicional dependia do equilíbrio anarquista de poder, um acúmulo militar entre os Estados Unidos e a União Soviética (as duas superpotências) e a soberania absoluta do estado-nação. Os Estados foram considerados entidades racionais, interesses e políticas nacionais, impulsionados pelo desejo de poder absoluto. A segurança era vista como proteção contra invasões; executado durante conflitos de proxy usando recursos técnicos e militares.

À medida que as tensões da Guerra Fria diminuíam, ficou claro que a segurança dos cidadãos era ameaçada por dificuldades decorrentes de atividades internas do Estado, bem como por agressores externos. As guerras civis eram cada vez mais comuns e aumentavam a pobreza, as doenças, a fome, a violência e os abusos dos direitos humanos. As políticas de segurança tradicionais mascaravam efetivamente essas necessidades humanas básicas subjacentes diante da segurança do estado. Por negligência de seus constituintes, os estados-nação haviam fracassado em seu objetivo principal.


No debate histórico sobre a melhor forma de alcançar a segurança nacional, escritores como Hobbes, Macchiavelli e Rousseau tendiam a pintar uma imagem bastante pessimista das implicações da soberania do Estado. O sistema internacional era visto como uma arena bastante brutal, na qual os estados buscavam alcançar sua própria segurança às custas de seus vizinhos. As relações entre estados eram vistas como uma luta pelo poder, pois os estados tentavam constantemente tirar vantagem um do outro. De acordo com essa visão, dificilmente seria alcançada uma paz permanente. Tudo o que os estados podiam fazer era tentar equilibrar o poder de outros estados para impedir que qualquer um atingisse a hegemonia geral. Essa visão foi compartilhada por escritores como E.H. Carr e Hans Morgenthau.


Mais recentemente, a noção tradicional de segurança centrada no estado foi desafiada por abordagens mais holísticas da segurança. [20] Entre as abordagens que buscam reconhecer e enfrentar essas ameaças básicas à segurança humana estão paradigmas que incluem medidas cooperativas, abrangentes e coletivas, destinadas a garantir a segurança do indivíduo e, como resultado, do Estado.

Para aumentar a segurança internacional contra ameaças potenciais causadas pelo terrorismo e pelo crime organizado, houve um aumento na cooperação internacional, resultando em policiamento transnacional. A polícia internacional Interpol compartilha informações através das fronteiras internacionais e essa cooperação foi bastante aprimorada com a chegada da Internet e a capacidade de transferir instantaneamente documentos, filmes e fotografias em todo o mundo.

Segurança Internacional
Segurança Internacional

Links úteis

Revista Relações Exteriores – https://relacoesexteriores.com.br

Portal Relações Internacionais – https://relacoesinternacionais.com.br

Congresso de Relações Internacionais – https://congresso.relacoesinternacionais.com.br

Vagas para Relações Internacionais – https://vagas.relacoesinternacionais.com.br

Guia do Internacionalista – https://internacionalista.com.br

Associação Nacional dos Profissionais de Relações Internacionais – https://anapri.org.br

Grupos:

Relações Internacionais – https://facebook.com/groups/relacoesinternacionais

Relações Internacionais – https://www.linkedin.com/groups/3902880/